Ah, esses idiomas…

Não sei como a garotada de hoje aprende inglês, se é fácil, se é difícil… Eu penava pra caramba, mesmo com a gramática do inglês sendo mais simples do que a do português (a bem da verdade, o inglês é um dos idiomas com mais diferenças entre escrita e fala que existem…)

Mas inglês é fichinha. E aqui vão, depois de uma tarde modorrenta, maçante e massacration, algumas curiosités sobre idiomas que ninguém sabia, graças a la vida, graças al amor, graças a la Wikipedia:

A incrível história da bomba que matou um idioma
A língua dalmática era um idioma derivado do latim, falado onde atualmente é a Croácia (não confundir com um dialeto croata atual). Seu último falante conhecido foi Tuone Udaina Burbur, um sacristão que, no final do século 19 foi entrevistado pelo linguista italiano Matteo Bartoli – entrevistado mesmo, parece que ele gravou a baghassa, já havia tecnologia para isso em 1898.
Tuone vivia na ilha de Veglia (atual ilha de Krk) meio que isolado da sociedade. Nunca saiu de lá. Na verdade, o dálmatico não era sua língua materna, era o vêneto, e comunicava-se em alemão e italiano com a galera, e por causa de seu serviço eclesiástico, também em latim. E aprendeu o idioma que seus pais falavam em casa, quando criança. Era o dalmático velhoto – da ilha de Veglia. A outra vertente do idioma, o dalmático ragusano (língua oficial da república de Ragusa, às margens do Mar Adriático), já desaparecera no século 16, antes mesmo da extinção do país em 1808, quando Ragusa foi invadida por Napoleão. (os dois lugares, hoje em dia, fazem parte da Croácia) E naquela ilha, acreditem, havia mais de 20 anos que Tuone não falava com ninguém nesse idioma! Todos já haviam falecido… até que chegou Bartoli.
Não consegui pesquisar a respeito do que exatamente eles conversaram, mas alí foram feitos os poucos registros do que seria esse idioma, mesmo que Tuone não lembrasse muito bem e estivesse com a “bicção prebudicada”, in a Tiririca basis.
Ok, e a bomba? É que em 10 de junho de 1898, uma mina terrestre de fabricação otomana, esquecida no solo da ilha, acabaria por exterminar Tuone, aos 77 anos. Phalecia não só um idoso solitário, mas também o idioma que ele herdara de seus pais sem que ele e seus falecidos conterrâneos da ilha de Veglia não o pudessem ter ensinado a ninguém… Essa já deve ter passado no “Acredite se quiser”, não é possível!
(PS: É provável que este seja o artigo mais completo sobre esse inóspito tema em língua portuguesa na Internet, mas eu sugeriria ao amigo pesquisar ainda um pouco mais sobre esse idioma que é o terror de Cruela de Vill.)

– Mas incrivelmente há mais um caso de idioma a “phalecer” junto com seu último falante: o roncalês, parente do basco, falado no Vale do Roncal, na Espanha, era o idioma nativo de Antonia Anaut, que phaleceu em 1976. Em 1970 ela foi entrevistada por Koldo Artola, onde também foram feitos registros – aqui, com certeza, também sonoros. Mas ela vivia bem: apesar de surda, sabia o “desgraciado” do Español, e era assim que se viraba com sua família. E aqui não teve mina terrestre, não. Eu sei que você já deve estar, inspirado por esse idioma, roncando, e calma que é só el comiezo…

– Um perigo semelhante ronda o Romanche (ou Romance) na Suíça. O idioma também veio do latim e é falado por menos de 1% dos suíços, e ainda assim, com muitas variações entre uma localidade e outra. Seria, grosso modo, como se em cada bairro de São Paulo ou Rio se falasse um idioma com mais de 50% de diferença um do outro!

Inglês é um treco estranho, rapeize. A letra menos utlizada é Q (daí o Q ficar no extremo superior direito do teclado) e três nomes de cores (purple, silver e orange) são palavras que não tem rima.
Ah, o teclado QWERTY surgiu nas máquinas de escrever, misturando o alfabeto para que as teclas vizinhas tivessem a menor chance possível de precisarem ser acionadas uma após a outra, considerando a língua inglesa, como base pra isso, evitando que os dedos entrassem entre as teclas da máquina! Eu já senti essa sensação, não é muito agradável… Experimente digitar “abcdefghijkl…” e veja como as letras estão relativamente distantes umas das outras. O padrão das máquinas de escrever foi estendido a todos os instrumentos similares que surgiram depois como… os computadores, claro! (Embora hajam os teclados Dvórak e os teclados ABCDEF – como os das primeiras máquinas – em alguns aparelhos específicos. Existe também o projeto de um “teclado brasileiro”, que faz essa mistura, mas baseado na língua portuguesa.)

– Foi o idioma espanhol que introduziu o uso de Ç e SS, embora esses caracteres deixassem de fazer parte do idioma depois. Acabaram indo parar em idiomas como português e galego.

– Em havaiano só existem 162 combinações possíveis de sílabas. O alfabeto havaiano tem apenas 12 letras e um símbolo (apóstrofe curva à direita, símbolo de vogal prolongada). Mas há um outro idioma, o dos Rotokas em Bougainville, Papua Nova Guiné, no qual esse símbolo não existe, e esse, portanto, é considerado o menor do mundo.

Cassúbio não é nenhum jogador de futebol com ficha no site do Milton Neves, seria um dialeto da Polônia, parcialmente incompreensível aos poloneses. O polonês, por sua vez, já é um dos idiomas mais difíceis do mundo…

– Além do catalão e do basco (não confundir com o time treinado por Romário) a Espanha ainda fala o galego, na região da Galícia. Esse é talvez o idioma mais próximo do português que exista, e é descendente direto do galego-português, aquele que os vestibulandos conhecem das primeiras aulas de literatura. Pesquise na Internet por sites nesse idioma e provavelmente você vai entender mais de 90% do que eles escrevem.

– Em compensação, em uma determinada área de Portugal, se fala o mirandês, já parcialmente incompreensível para mim… O governo da área luta para a não extinção do idioma. (Não, a frase “um tico-tico cá, um tico-tico lá” é em português mesmo!)

Dialetos de certas regiões do Japão, como Tsushima e Ilhas Ryukyu são incompreensíveis para moradores de Tóquio, por exemplo! E no caso das ilhas Ryukyu, até mesmo entre uma e outra ilha! Vá ser hermético assim na Tupperware, seu!… Mas há uma explicação: o relevo montanhoso do Japão favorecia esse isolamento entre as comunidades. Favorecia: mais do que qualquer outro país, o Japão moderno está interligado pela TV e pela Internet, fora os demais meios de comunicação, fazendo cada vez mais com que seus habitantes passem a falar a mesma língua.

E acredite: o mundo continua a insistir
nas línguas universais que não sejam o inglês!

Existe um idioma universal, o Kotava, que é falado por… 40 pessoas. Alguns milhares a mais falam Ido e Interlíngua. Muito mais gente fala Slovio, Volapuk e Esperanto. Em compensação, o Volkspraak está em fase de criação – embora, de todos os idiomas universais mostrados na Wikipedia, este foi o que eu menos entendi (usa uma tonelada e meia de sinais diacríticos!) E ainda tem o Fasile (cujos falantes se concentram no… Brasil) e o Dousha, inciativas ultra-recentes (o último é de 2002 e foi criado por Almir U. Júnior, brasileiro) O Dousha tem a preocupação de não parecer “ocidental demais” para os orientais.

– Uma língua artificial criada com objetivos opostos à turma acima (não unir as nações, mas separá-las) também tem seus falantes: o Klingon. Aquele, da série Star Trek, cujos episódios não são cancelados nem redublados, nem viram desenho animado sem a Uhura… XD
[Se você não está entendendo a piada, este blog é parte de um site sobre as séries Chaves e Chapolin.]

– E finalizando com uma Curiosidade Suprema: A Wikipédia serve até mesmo pra você aprender a falar em… caipira! Why, so?!

Moral da história: Na torre de Babel, usaram um liquidificador Blendtec pra misturar os idiomas. “It’s language powder, don’t breath this!”

Anúncios

2 Respostas para “Ah, esses idiomas…

  1. Queria fazer uma correção pois existem muito mais falantes de IDO do que Volapuk. IDO é o esperanto melhorado e reformado para ser de mais fácil aprendizado. No IDO não existe acentos(facilitando seu estudo pelo computador) e também não existe o temido acusativo que tanto assusta as pessoas que tentam aprender esperanto.Existe até comunidade oficial do IDO no orkut, que é esta: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=5357424Além de um site em portugues: http://www.idolinguo.blogspot.com

    > Por isso que, meses depois, no blog da Televisão Salt Cover, eu escrevi que a pseudo-novela Tapa Nakara tinha sido dublada em 345 línguas e que a versão em Ido era campeã de audiência no Turcomenistão. A propósito, é verdade: o esperanto FORÇA a existência de um caractere que não existe em nenhum idioma, que seria o J com acento circunflexo (ĵ).

  2. Olá, tudo bem?

    Gostei do que falou sobre o Dousha: “(o último é de 2002 e foi criado por Almir U. Júnior, brasileiro) O Dousha tem a preocupação de não parecer “ocidental demais” para os orientais.”

    É bem verdade. Basta tu dar uma espiada lá no Mireisha… sabe onde é, não sabe? Se não sabe, aqui está: mireisha.blogspot.com

    Boa aprendizagem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s